O período após Dia dos Pais e antes da Black Friday não é o melhor para os varejistas. Por isso, algumas empresas já recorriam ao Dia do Cliente (15 de setembro) para impulsionar as vendas e, no último ano surgiu a iniciativa do Governo Federal  de criar a Semana do Brasil, conectando também com o feriado de independência (07 de setembro). 

Neste ano, ela acontece entre os dias 3 e 13 e muitas marcas já estão incluindo a campanha nos seus calendários comerciais.As vantagens para quem adere à campanha é ter divulgação do Governo nos principais veículos de comunicação e suporte de empresas públicas. Além disso, é uma excelente oportunidade para trabalhar a marca em diferentes aspectos, como em fidelização, diferencial e reputação. Para se destacar nesse sentido, você precisa ser transparente com o consumidor antes, durante e pós venda (vale para preços e descontos, estoque e frete). 

Diante desta oportunidade, diferentes dúvidas sobre estratégia surgem entre os anunciantes: desde a tomada de decisão para aderir ou não até mapeamento de vantagens que podem ser oferecidas. Separamos 7 pontos importantes sobre esse evento que vão fazer a diferença na campanha para a sua marca:

1 – O aumento em 41% no número de pedidos em relação à Semana do Brasil do ano anterior indica que os consumidores estão abertos a comprar se encontrarem ofertas interessantes, segundo o Ebit/Nielsen. Em 2019, foram 4,44 milhões de pedidos online, o que representou R$ 1,86 bilhões de faturamento para o e-commerce brasileiro;

2 – Apesar de já fazer parte do calendário de muitas empresas de varejo, a data ainda não é super esperada pelos consumidores. O que demanda um esforço, em mídia, além de constância e destaque, para ser lembrada como uma marca que vale a pena aproveitar os descontos. É uma data pouco explorada, por isso tem muito potencial para quem quer se destacar;

3 – A maioria dos consumidores vai fazer compras online, principalmente neste ano de pandemia, em que muitas pessoas mudaram seus hábitos de compra. Muitos ainda estão preferindo fazer pelo celular e computador em vez de sair de casa, por isso o investimento deve ser focado em plataformas digitais como site ou aplicativo;

4 – Por ser uma data próxima da Black Friday, maior evento de varejo do ano, os descontos e vantagens da data precisam ser realmente atrativos, do contrário, o consumidor vai preferir esperar até novembro para comprar e sua estratégia pode não ser efetiva;

5 – Os benefícios da entrega são determinantes para 57% do público, segundo uma pesquisa feita pela Opinion Box em 2020. Mais da metade dos compradores desistiria de uma excelente oferta se o frete for ruim, tanto no preço quanto no prazo. Então, seja transparente e capriche nas vantagens de entrega;

6 – Considere seu estoque na estratégia que escolher para a Semana do Brasil. Não adianta fazer uma boa oferta de produtos sem estoque: você vai frustrar o público e gerar baixa reputação online para sua empresa, prejuízo que pode refletir para as próximas datas e ser mais difícil de reverter;

7 – Falando em reputação, as pessoas costumam olhar as notas dadas por compradores anteriores e sites como o Reclame Aqui. Atente para como está a sua situação (antes, durante e depois da ação) e, inclusive, aproveite datas como esta para fidelizar e promover boas notas no seu site.

Em agosto, Marcelo Silva, presidente do IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) disse em entrevista que “alguns indicadores têm mostrado uma reação da economia e que há uma demanda reprimida, pois muitos consumidores estão ansiosos para retomar a rotina das compras, mas de forma mais consciente, aguardando por oportunidades reais de bons negócios”. Então, se a estratégia e o planejamento estiverem alinhados, só há motivos para boas expectativas!

Mais artigos
Fale com especialistas