Por Rebeca Duarte, Head de Planejamento

Imagine a cena: você está assistindo a uma das suas séries favoritas e um dos personagens aparece usando uma camiseta super descolada. Em instantes, sem precisar sair da tela, você pode comprar uma peça exatamente igual e que será entregue na sua casa. 

Essa possibilidade existe e já faz parte da realidade do marketing digital. Estamos falando do conceito shoppable, também conhecido como “social shopping”, que oferece aos consumidores um checkout descentralizado dos produtos. Ou seja, a possibilidade de adquirir um item visto em um post do Instagram, nas páginas de uma revista ou em um programa de TV, de maneira simples e ágil.

O conteúdo comprável, na tradução para o português, é qualquer tipo de conteúdo (vídeos, artigos, imagens etc.) que fornece uma oportunidade de compra direta e permite que os consumidores adicionem produtos ao carrinho a partir do que estão visualizando, ou sejam levados a uma página de produto e continuem para fazer compras a partir daí.

Embora essa não seja uma ferramenta nova no mercado, o shoppable tem ganhado cada vez mais força, impulsionados pela intensa transformação digital e pela mudança nos hábitos de consumo. Pesquisa recente da McKinsey mostra que 40% dos consumidores mudaram seu comportamento de compra durante a pandemia, tomando a decisão de trocar de marca devido a fatores de conveniência e valor.

Conceito na prática

Possibilitando encurtar a jornada dos clientes e oferecer uma experiência de compra agradável, o shoppable traz importantes ganhos para as marcas, já que ajuda a ampliar a conversão do engajamento em vendas e a estreitar a relação com o público-alvo. Além disso, permite oferecer aos consumidores algo que vai muito além de um simples anúncio. O social shopping entrega correlação com o conteúdo, aumentando a possibilidade de determinado produto ou serviço atrair a atenção daquele usuário. Não se trata da propaganda pela propaganda, mas sim da criação de mais um (importante) canal de relacionamento direto com o consumidor, em um momento no qual ele está mais aberto a ser impactado por uma sugestão de compra.

Se você ainda está confuso com o conceito de shoppable pense nas marcações que aparecem em algumas fotos do Instagram de grandes marcas ao clicar sobre elas. Os pequenos pop-ups que mostram a descrição da peça e permitem que você a acesse o e-commerce da empresa em um clique trazem a prática do social shopping. Outras redes sociais também investiram nessa solução, como o Facebook, o Pinterest e até o fenômeno TikTok. Integrando o formato de anúncio aos sites de vendas das companhias, essas campanhas ajudam a impactar novas audiências: 35% dos compradores ouvidos pelo eMarketer tinham descrito sua experiência de social shopping mais recente como uma aquisição por impulso de um produto ou serviço que eles não conheciam ou consideravam anteriormente.

Mas o shoppable não se limita às redes. Muito além do digital pode ser feito no offline. Recentemente, programas de TV como o Big Brother Brasil, da Rede Globo, e A Fazenda, da TV Record, passaram a investir no formato. Por meio de um QR Code exibido na tela durante as transmissões, os telespectadores apontavam a câmera do celular para a tela e eram redirecionados para a página de compra do produto. Ainda que o formato não seja o ideal, vem rompendo barreiras e inaugurado uma nova era na qual a audiência não é mais unicamente passiva.

Por que investir na estratégia?

Com cada vez mais componentes sociais integrados aos e-commerces, a ferramenta traz mais uma chance de iniciar conversas com os clientes, estabelecendo discussões duradouras entre os consumidores e a mídia da marca. Esses resultados são muito mais impactantes do que os anúncios de banner passivos, que podem ou não atrair a atenção da audiência. Ou seja, o shoppable torna a  experiência do consumidor mais atraente e as transações online mais eficientes. 

A promessa do conteúdo comprável é reduzir a distância entre marca e consumidores, permitindo que os clientes transformem as inspirações diretamente em ações, comprando os produtos que veem mencionados ou exibidos no próprio conteúdo. O shoppable content reduz o atrito da jornada de compra e cria uma experiência perfeita e positiva para o consumidor

Imagine que você precise buscar uma ação de marketing efetiva para lançar uma linha de produtos. Utilizar o shoppable ads permite que os seus clientes conheçam os novos itens por meio de fotos que retratam seu estilo de vida. O recurso aguça a curiosidade do consumidor e estimula seu desejo de compra aspiracional. 

Os próximos passos

Em um movimento completo do ecossistema, editores de grandes veículos de mídia e players de redes sociais estão explorando e oferecendo oportunidades para facilitar ao máximo a compra de produtos sobre os quais um usuário acabou de ler ou está vendo em tempo real. Não à toa esse tipo de solução está sendo disponibilizado em conteúdos estáticos (texto/fotos) e também em vídeos, no online e no offline. Aliás, a ferramenta já está integrada, inclusive com os assistentes de voz, que possibilitam a compra de um item, apenas após ouvir sobre ele. 

Esses tipos de transações já não são apenas um desejo de varejistas e editores que desejam aproveitar qualquer oportunidade para alavancar vendas e criar novos pontos de contato. São uma demanda também dos consumidores, que desejam essa experiência mais única e conectada. Ao fazer a integração de todo o ecossistema, o mercado está levando o e-commerce a um novo patamar, repleto de possibilidades e de benefícios para todos os envolvidos.