Gestão de mídia: entenda o que é tráfego pago e suas vantagens

O tráfego pago é uma possibilidade que pode trazer muitos novos clientes para o seu negócio. Quer saber como? Continue a leitura!

O que é tráfego pago?

Primeiramente, é importante entendermos o que é o tráfego no ambiente digital. Assim, tráfego é a atração de usuários que têm interesse em seu produto e serviço para uma zona de conversão.

Essa zona de conversão está relacionada com o objetivo da marca. Ela pode ser uma venda, download de e-book, entre outras possibilidades.

Existem duas formas de realizar o tráfego: 

  1. Pago. 
  2. Orgânico.

O tráfego pago é uma estratégia de anúncios oferecidos em redes sociais, páginas de buscas e outros sites. Assim, os visitantes podem ser conduzidos às landing pages de uma marca sem ao menos terem procurado por elas. 

Estamos falando de um investimento financeiro para trazer as pessoas que tem o potencial de se tornarem clientes de um produto ou serviço.

Imagem de uma mesa de escritório com um Macbook branco com um gráfico de resultados de tráfego pago na tela. Há também dois vasos brancos com plantas, uma xícara de café, alguns cadernos, agendas e livros e uma ampulheta decorando a área de trabalho.
O tráfego leva à atração de usuários para a conversão.

Por outro lado, o tráfego orgânico não foca no dinheiro para atrair clientes e, sim, na produção de conteúdo relevante. Isso também quer dizer que estratégias de SEO são aplicadas para que a marca apareça nos primeiros lugares de páginas como o Google. 

A importância do tráfego pago e orgânico para o seu negócio

Agora que você já sabe a diferença entre tráfego pago e orgânico, deve se perguntar: “qual é a melhor opção para a minha empresa?”.

Na verdade, os dois são opções válidas e trazem resultados para alavancar seu negócio. O melhor é utilizar as duas estratégias simultaneamente para conseguir os seus clientes. 

Afinal, tanto o tráfego pago quanto o orgânico fazem a sua marca se destacar. Esse é o grande benefício: quanto mais aparecer, maiores serão as chances de conversão e de fazer o seu ticket médio crescer.

Por que investir em tráfego pago?

Se você está pensando em investir no tráfego pago e quer saber, na prática e com detalhes, quais são os benefícios que ele oferece, continue a leitura!

1. Os resultados são imediatos

Uma das maiores vantagens é que o tráfego pago oferece retornos rápidos. Enquanto o orgânico precisa de um tempo para ser processado, o pago aparece nas páginas quase imediatamente após o pagamento.

Então, se você precisa de leads rapidamente, essa é a melhor escolha para o seu planejamento de conversões. 

2. O público é segmentado

A tecnologia traz a possibilidade de analisar os usuários e disparar seus anúncios para as pessoas certas. Isso quer dizer que você pode criar campanhas específicas para públicos segmentados.

Foto de cima de uma folha impressa com diversos gráficos de resultados de mídia paga. Ao lado esquerdo é possível ver parte do teclado de um notebook; ao lado direito estão alguns lápis coloridos.
No tráfego pago, o público é segmentado.

Em geral, as ferramentas possuem as seguintes segmentações:

  • gênero;
  • idade;
  • ocupação;
  • interesses;
  • localização;
  • canais de mídia, etc.

Contudo, não basta apenas disparar os anúncios para um nicho específico. É fundamental que suas campanhas sejam criadas pensando nos tipos de pessoas que deseja alcançar para que elas realmente sejam efetivas. 

3. O investimento inicial é acessível

Para começar, você não precisa investir tanto dinheiro como deve estar imaginando. Existem diversos tipos de orçamento, então, é uma possibilidade fazer testes até decidir qual é a melhor maneira de investir o seu dinheiro no tráfego pago.

Os valores podem ser diários, semanais, mensais ou até mesmo durante um período que você mesmo estipula.

Só para ilustrar, é possível começar com 1 dólar por dia em algumas mídias sociais.

4. As métricas são próximas do tempo real

No marketing digital, as métricas precisam estar presentes para um monitoramento eficiente das estratégias que estão em jogo. Por isso, a boa notícia é que no tráfego pago você consegue observar as métricas com muita rapidez.

Portanto, você analisa o comportamento das pessoas nas primeiras horas da campanha e, se for necessário, realiza algum ajuste para que os objetivos não sejam ameaçados.

5. A campanha é adaptada ao orçamento

Mais uma vez, você não precisa começar gastando muito dinheiro para começar no tráfego pago. Como existem várias possibilidades de investimento, você pode adequar o gasto financeiro ao seu orçamento. 

Depois, não se esqueça de incluir esse gasto no Custo de Aquisição de Clientes (CAC) para melhor controle de faturamento.

6. A posição no ranking de pesquisa é uma das primeiras

Ao anunciar na rede, sua página aparecerá nos primeiros lugares das pesquisas. Isso sem precisar trabalhar com técnicas de SEO. Esse é um aspecto muito positivo, pois as pessoas costumam clicar em conteúdos da primeira página dos buscadores.

Tablet com a página inicial do Google. Ao fundo, desfocado, vemos um celular e uma xícara de café
No tráfego pago, seu anúncio aparece nas primeiras posições do Google.

Quais são as desvantagens do tráfego pago?

É claro que também existem alguns problemas que você deve estar atento ao utilizar essa estratégia. 

Confira os desafios a seguir:

1. Os custos tendem a se elevar

Com a evolução dos e-commerces e da valorização de estratégias digitais, chegam sempre mais anunciantes nas plataformas e os anúncios são melhorados com a experiência. Infelizmente, isso leva os custos a sofrerem inflação.

Com o passar do tempo você sentirá isso, então é importante estar preparado para manter a saúde do negócio.

2. Sem investimento, não há tráfego

Caso você decida não pagar para aparecer aos clientes em potencial, saiba que você não ganhará tráfego. Entenda: você troca o investimento financeiro por leads

No entanto, ainda há a opção de tráfego orgânico, que citamos anteriormente. Mas essa é uma opção mais demorada. 

3. A dependência pode ser um risco

Talvez você esteja pensando em trabalhar apenas com o tráfego pago para conseguir as conversões. Contudo, essa é uma visão perigosa.

Imagine que agora você consiga fazer um alto investimento no tráfego. Depois de um tempo, algumas coisas não vão bem e não é mais possível financiar a estratégia. Assim, seu negócio perde a visibilidade rapidamente e para de faturar como antes.

Saiba que esse é um cenário verossímil que pode acabar com sua marca. Então, não ignore outras possibilidades de estratégias de tráfego.

Quais são os modelos de custo no tráfego pago?

Há 3 modelos principais de custo no tráfego pago: CPC, CPM e CPV. Vamos explicar o que são essas siglas e como elas funcionam agora.

  • CPC: Custo Pago por Clique, também conhecido por PPC do inglês “Pay Per Click”. Esse modelo só cobra quando alguém clica em seu anúncio. É o método mais escolhido pelos comerciantes, já que traz mais retornos.
  • CPM: Custo por mil impressões, ou seja, o anunciante só paga quando o anúncio atingir o número de mil visualizações. Grandes portais costumam cobrar dessa forma.
  • CPV: Custo por visualizações. O anunciante define o preço que irá pagar quando o usuário visualizar o anúncio. Esse modelo é muito popular no YouTube.

Se você ficou em dúvida de qual é o melhor para a sua campanha, não se preocupe. Essa é uma dúvida comum entre os empreendedores e nós podemos dar alguns insights para você avaliar.

O CPC é muito popular porque encaminha o usuário direto para o seu site. Já o CPM é ótimo para o posicionamento de sua marca. No entanto, é bom fazer algumas contas antes de decidir pelo CPM ou CPC para o branding.

O CPV serve apenas para campanhas de vídeo e você só paga quando o usuário assistir até um determinado tempo.

Qual o melhor site de tráfego pago?

A seguir, veja os principais sites presentes no mercado do tráfego pago e escolha em qual delas você vai anunciar.

1. Google Ads

O Google Ads é a plataforma mais conhecida e usada para o tráfego pago. Dentro dela, há 5 possibilidades de anúncios pagos: rede de pesquisa, rede de display, YouTube Ads, Gmail e Google Shopping.

  • Rede de pesquisa: anúncios dentro do site do Google, ou seja, da página de resultados de pesquisa. Eles surgem nas primeiras posições com a tag “Anúncio”. Então o usuário saberá que você pagou para estar ali.
  • Rede de display: são aqueles banners que aparecem em sites. O Google mantém parceria com alguns portais que, em troca de uma porcentagem da receita de publicidade, veiculam os anúncios.
  • YouTube Ads: O YouTube é uma grande plataforma de vídeos e anúncios. É possível aproveitar uma série de segmentações, como palavras-chave e público alvo ao anunciar no site.
  • Gmail: Pelo Google Ads, você pode criar anúncios que caiam direto na caixa de e-mail dos usuários do Gmail.
  • Google Shopping: Ao fazer sua busca no Google, os usuários podem escolher buscar pelo Google Shopping que mostra produtos disponíveis para a venda. Lá, o anunciante também pode aparecer nas primeiras posições com a tag “Anúncio”.

2. Meta Ads

O Meta Ads é o antigo Facebook e Instagram Ads. Assim, essa é outra ferramenta com um alcance grandioso de usuários. Afinal, o tráfego pago ocorrerá no Facebook, Messenger e Instagram.

Ainda, há a possibilidade de anúncios que levem à abertura de uma conversa no WhatsApp.

Considerando que a empresa Meta atende mais de 2 bilhões de usuários e coleta muitos dados relacionados à comportamento, consumo e muito mais, o anúncio por ela pode trazer resultados incríveis.

Com a segmentação da ferramenta, será possível alcançar quem realmente se interessa pelo serviço.

3. TikTok Ads

Certamente, o TikTok tem experimentado um grande crescimento nos últimos anos. Entre os mais jovens, ele é uma febre.

Celular abrindo o aplicativo do TikTok. Ao fundo vemos as pernas de 3 pessoas sentadas e uma mesa de centro feita em madeira.
O TikTok é uma das redes sociais que tem mais destaque no mundo.

Contudo a rede social vai muito além do público adolescente e dancinhas. Na verdade, há conteúdo para todos os interesses

4. Pinterest Ads

Muitas marcas acabam se esquecendo do Pinterest e perdem o forte apelo visual que a rede social oferece

As empresas que enxergam potencial no site, preferem trabalhar com ações de topo de funil, que levam os usuários a conhecer e se reconhecer na marca.

5. Twitter Ads

Outra rede social que é muito ignorada pelas marcas em seus anúncios é o Twitter. Apesar de ter um pouco menos de relevância no Brasil, ele também pode ser utilizado para campanhas de públicos bem específicos.

6. LinkedIn Ads

Você deve saber que o LinkedIn é a maior plataforma de profissionais do mundo. Dessa forma, lá estão informações estratégicas, como setores de atuação, cargos e números de funcionários.

7. Native Ads

Native Ads, ou anúncios nativos, são aqueles que não surgem com um formato padrão de publicidade, como banners. 

Desse modo, é possível encontrar anúncios nativos em artigos de blog ou mesmo em vídeos. Eles não causam desconforto, nem prejudicam a experiência do usuário. Aliás, eles nem ao menos usam a linguagem publicitária e dão preferência a informações úteis para o usuário.

Para criar esse tipo de tráfego pago, os anunciantes recorrem ao Taboola e Outbrain

Quanto investir em campanhas de tráfego pago?

Já explicamos que há vários modelos de custo de tráfego pago. Também mostramos os lugares onde os anúncios são realizados. Dessa maneira, você pode analisar as possibilidades e fazer a sua escolha.

Tenha em mente que é preciso considerar cuidadosamente o orçamento disponível. Assim, é mais seguro e fácil decidir quanto pode e deseja investir nas campanhas.

Além disso, considere o objetivo das campanhas e o custo por leads. Se possível, vá além e use um histórico de vendas anterior para prever os gastos.

Como o tráfego pago se relaciona com o funil de vendas?

Primeiramente, o funil de vendas é uma estratégia que segmenta o público de acordo com a fase que ele se encontra em direção à conversão, no caso, à venda.

Em outras palavras, com esse modelos entendemos que há uma jornada de compra dividida em 3 etapas: 

  • topo de funil
  • meio de funil;
  • fundo de funil. 

Quanto mais para o fundo, mais próximo o consumidor está da conversão.

Portanto, a imagem do funil representa, em seu topo, uma grande quantidade de prospects, ou clientes em potencial. Eles se encontram na fase de conhecimento de uma marca.

No meio, o prospect já entende o que é a marca e seus serviços, mas ainda não há a decisão de conversão

Já no fundo do funil, os prospects estão muito inclinados à conversão. Por isso, diferentemente do topo, não são um conjunto grande.

Duas pessoas usam um computador e cadastram um cartão de crédito.
O funil de vendas considera toda a jornada do comprador.

Entender o funil de vendas é fundamental para criar os anúncios de tráfego pago para as pessoas certas. Com essa estratégia, você conhece muito bem o seu público, incluindo os hábitos, necessidades e dores.

Assim, você saberá segmentar o público e terá uma orientação sobre a forma que deve lidar com cada parte dele. Isso incluirá elementos como:

Todas as etapas do funil de vendas podem ser utilizadas no tráfego pago. Entretanto, ele é mais usado para o topo e o meio, já que, no fundo, estão clientes em potencial que você já tem dados e pode entrar em contato de outras maneiras.

Por exemplo, se sua empresa tem um novo e-book, que é um material de topo e meio de funil, você pode criar anúncios pagos para que muitas pessoas tenham acesso a ele.

Saiba que o tráfego pago para o topo e meio de funil é mais acessível financeiramente porque poucas pessoas vão para o fundo, ou seja, para a decisão de compra. Então, esteja atento a esses detalhes na hora de criar as estratégias. 

Não se esqueça de que é preciso, sempre, levar o consumidor até o fundo do funil com os seus anúncios respeitando o seu histórico e fase.

Confira 6 dicas para uma campanha de sucesso

Além de considerar o funil de vendas em suas estratégias de tráfego pago, considere também 6 outros fatores. 

Confira!

1. Defina um público-alvo

Ele deve ser bem específico para você saber criar os anúncios com foco em suas dores. Para isso, você pode analisar as redes sociais, interagir com o público e realizar pesquisas.

2. Escolhas as plataformas de anúncio

Ao conhecer bem o seu público, você também vai entender onde eles estão no meio virtual. Pode ser no Twitter ou portais de notícias. O importante é que seus anúncios apareçam nos lugares que seu público vai estar.

3. Crie anúncios verdadeiros

É fundamental saber se comunicar bem com seu público para ele entender qual é a sua proposta. Nesse sentido, só prometa o que realmente pode cumprir nos anúncios.

Tenha cuidado com anúncios sensacionalistas e promessas incompletas. Inverdades só afastam os consumidores, além de pôr em xeque a credibilidade da marca. 

4. Selecione as melhores palavras-chave

As palavras-chave são poderosas, pois chamam a atenção dos consumidores e segmentam o público de acordo com os seus interesses.

Diversas peças de madeira, onde algumas delas possuem letras que formam a palavra "keywords", que traduzindo para o português significa "palavras-chave"
As palavras-chave chamam a atenção dos consumidores.

Desse modo, não basta usar termos que sua marca acha interessante. Lembre-se que o mais importante é se comunicar com o público da forma que ele pensa.

Para saber que palavras-chave você deve priorizar, faça uma pesquisa no Trends e Keyword Planner do Google.

5. Faça uso do remarketing

O remarketing visa impactar pessoas que já conhecem o negócio, mas estão afastadas dele. Ela é importante porque raramente as pessoas fazem a compra após o primeiro anúncio.

Assim, uma boa estratégia é enviar e-mail lembrando o consumidor de que ele gostou ou colocou um produto no carrinho.

6. Defina um orçamento máximo

Por fim, a sua campanha precisa ter um bom controle financeiro. Desse modo, defina um orçamento máximo e se apegue a ele. A organização tem um papel importante quando se trata de tráfego pago.

Confira também: 7 erros comuns em mídia paga para não cometer

Como funciona a gestão de mídia?

Se você chegou até aqui, deve ter percebido que o tráfego pago não consiste apenas em anúncios. Ele engloba uma série de detalhes e organizações que não podem passar despercebidos, ou a estratégia terá poucos resultados. 

Primeiramente, é preciso entender quando usar o tráfego pago. Algumas das situações são:

  • promoções de vendas em datas comemorativas;
  • lançamentos;
  • divulgação de conteúdo;
  • reconhecimento da marca.

Depois, será preciso fazer a gestão de mídias, um processo complexo que envolve várias etapas, como:

  • planejamento;
  • gerenciamento;
  • análise de resultados. 

Para isso, você pode contar com a melhor agência de marketing digital, a Adtail.

Na Adtail, você tem uma equipe certificada e especialista na estruturação de campanhas de acordo com os pré-requisitos de cada site de anúncios. O objetivo é maximizar os resultados desejados pelo seu negócio.

Na prática, alguns dos serviços da Adtail estão relacionados com:

  • redes de pesquisa;
  • banners;
  • social ads;
  • remarketing;
  • geolocalização.

Se você ainda se pergunta se o tráfego pago vale a pena, saiba que a pergunta é legítima. Como já explicamos, por si só, ele não entregará os resultados que deseja. Por isso, a gestão de mídias  precisa ser feita por profissionais realmente especialistas no assunto. 

Então, não ignore esse aspecto e conheça agora mesmo a Adtail e as vantagens que oferece. Quer saber mais? Visite o site!