O que é SEO: um guia para alavancar seu tráfego orgânico

Você sabe o que é SEO e qual é o seu objetivo?

Bem, SEO é a sigla para “Search Engine Optimization”, que em tradução livre para o português tem o significado “Otimização para Mecanismos de Busca”. Ou seja, SEO se refere ao conjunto de técnicas que visam melhorar o posicionamento de páginas nos resultados orgânicos.

Isso quer dizer que essas técnicas são usadas no lugar do uso de anúncios pagos, que surgem bem posicionados nas páginas de busca por comprarem aquele espaço. 

Certamente, o site de busca mais famoso do mundo é o Google e, por isso, ele é o mais citado quando falamos de SEO. No entanto, existem muitos outros sites com o mesmo objetivo dele, como:

  • Yahoo!;
  • MSN Search;
  • Bing;
  • Ask;
  • Aol.

As técnicas de SEO têm, cada vez mais, feito parte das estratégias de negócios digitais que buscam fazer com que sua marca seja reconhecida no mercado e, assim, atrair novos clientes.

Como sabemos bem que esse é o objetivo de sua empresa, preparamos este conteúdo que irá ajudar você a entender o funcionamento do SEO e a aplicar as técnicas certas para o seu negócio se destacar. 

Vem saber mais!

Como surgiu o SEO? 

Apesar de ser o mais famoso, o Google não é o primeiro site de busca da Internet. Na verdade, o pioneiro foi o Archtext, que surgiu em 1993 e se tornou o Excite. O Google só se tornou um projeto maduro em 1997.

Larry Page e Sergey Brin, então alunos de Stanford, tinham o objetivo de criar um mecanismo que desse conta de buscas em larga escala e, por isso, batizaram o projeto de “Google”, em referência ao número Googolplex (1 seguido por 100 zeros). 

Para organizar essa grande quantidade de dados, Larry Page criou o PageRank, uma métrica para medir a autoridade de uma página. Com o PageRank, foi possível calcular a quantidade e qualidade de links recebidos por páginas para classificá-las em escala de 0 a 10, sendo 0 as de pouca relevância e 10 as de extrema relevância.  

Atualmente, o PageRank é uma métrica interna do Google e não tem consequências no ranqueamento das páginas.

Ainda em 1997, houve a publicação do livro escrito por Bob Heyman, Leland Harden e Rick Bruner, “Net Results”. Os autores descobriram que o posicionamento do site da banda Jefferson Starship foi para a primeira posição após incluírem constantemente o nome da banda como palavra-chave nos conteúdos do site.

A essa técnica, os autores chamaram de “Search Engine Optimization”. 

Com o tempo, o Google se popularizou e surgiram profissionais de SEO, que incluíram a métrica de links às técnicas de inclusão e repetição de palavras-chave (keywords). 

Hoje, muitas das técnicas da época são consideradas prejudiciais e, por isso, não fazem parte do trabalho de profissionais de SEO.

Vantagens do SEO e do tráfego orgânico

Até aqui, você já sabe que o SEO posiciona o seu conteúdo nos primeiros lugares dos mecanismos de busca para que seu negócio alcance os objetivos de conversão. Mas os benefícios não acabam aí.

O SEO gera tráfego orgânico, ou seja, visitas espontâneas em seu site e, consequentemente, outras vantagens, como:

  • proximidade com os clientes através do marketing de conteúdo;
  • escalabilidade com os custos por leads reduzidos;
  • conteúdos que geram leads por muito tempo;
  • economia, já que não usa tráfego pago;
  • autoridade para marca em seu nicho.

Como o Google funciona?

Como afirmamos anteriormente, o Google não é o único site de mecanismo de busca, mas é o mais usado. Por isso, falaremos muito nele neste artigo. 

A Internet tem infinitas páginas de sites e seria impossível organizá-las sem algoritmos de alta complexidade. Basicamente, o Google usa 3 processos para o ranqueamento:

  • rastreamento: os robôs identificam as novas URLs;
  • indexação: identificação de conteúdos de acordo com palavras-chave;
  • classificação: ordenação de conteúdos a partir da relevância.

Tenha em mente que as técnicas de SEO on-page devem ser usadas para todas essas fases, pois o Google mantém robôs com mais de 200 fatores de ranqueamento. Esses fatores surgiram a partir de constantes atualizações.

Veja a seguir quais são elas:

  • Florida (2003)
  • Panda (2011)
  • Penguin (2012)
  • Hummingbird (2013)
  • Pigeon (2014)
  • HTTPS/SSL Update (2014)
  • Mobile Friendly Update – Mobilegeddon (2015)
  • Rankbrain (2015)
  • Fred (2017)
  • Mobile-first index (2018)
  • Medical Update (2018)
  • E-A-T (2019)
  • Atualização de confiabilidade (2019)
  • Atualização de diversidade (2019)
  • BERT (2019)
  • Favicon e posição 0 (2020)
  • Page Experience Update e Core Web Vitals (2021)
  • Link Spam Update (junho de 2021)
  • Spam Update (novembro de 2021)
  • Helpful Content (maio de 2022) 

Técnicas de SEO para otimizar o seu site

Há 3 tipos de otimização SEO: on-page, off-page e técnico. Todos eles têm a mesma importância e são indispensáveis em estratégias de tráfego orgânico. 

A seguir, entenda como cada um deles funciona e quais são as técnicas aplicáveis.

três dados em cima da mesa, cada um com uma letra, formando a palavra SEO.
Há 3 tipos de otimização SEO: on-page, off-page e técnico.

SEO on-page

O SEO on-page são as otimizações que podem ser realizadas direta e internamente no site. Elas buscam a melhor experiência do usuário e, por isso, consideram elementos estruturais da página e de seu conteúdo.  

Confira as técnicas de SEO on-page que você deve aplicar.

1. URL amigável

Ter URL amigável significa elaborá-las de forma objetiva. Elas devem ser curtas e incluir a palavra-chave que ajude a identificar o assunto da página. 

Aqui, o melhor é não utilizar códigos que nada dizem ao usuário, mas palavras que carregam o significado que ele precisa

2. Título e descrição atrativos

Na página de resultados do Google, o usuário visualiza o título e a descrição de seu conteúdo. Então, considere usar uma linguagem acessível para o seu público e se esforce com criatividade e gatilhos que chamem a atenção.

O título e descrição para SEO também são conhecidos como tag title e meta description.

Além disso, é importante informar, de fato, o que o usuário encontrará na página. Vale a máxima: não prometa o que não pode cumprir!

3. Conteúdo útil

O Google pune conteúdos que contém plágio e busca por páginas com informações que respondam às perguntas e dores dos usuários. Inclusive, o Core Update de 2022 identifica conteúdos originais e relevantes para priorizá-los nos resultados de busca. 

Então, é preciso ir muito além do uso de palavras-chave.

4. Conteúdo de fácil compreensão

Outra técnica de SEO é a escaneabilidade. O conteúdo precisa ser fácil de ser visualizado e fácil de encontrar informações justamente para oferecer uma boa experiência ao usuário. 

Dessa forma, é importante “quebrar” o texto em partes menores para simplificar as frases e garantir leveza visual.

Para ajudar os mecanismos de busca a entender o seu conteúdo, utilize técnicas como:

  • heading H1, H2 e H3 que mostram a hierarquia do conteúdo;
  • negrito para destacar partes mais importantes;
  • bullet points para organizar listas;
  • palavras de transição para uma leitura fluida.
mulher utilizando um notebook. há um celular ao lado do aparelho, mostrando que diferentes telas estão presentes no dia-a-dia das pessoas
A escaneabIlidade permite uma ótima experiência de leitura para o visitante.

5. Arquitetura intuitiva

Considerando que o Google preza pela boa experiência do usuário, as páginas precisam apresentar uma arquitetura da informação sem poluição visual e que não levem a uma usabilidade confusa. 

Portanto, os menus precisam ser organizados por ordem de importância para o usuário encontrar as informações rapidamente. 

Além disso, é importante desenvolver os sites a partir da técnica de mobile first, que considera, primeiramente, as características de visualização em dispositivos móveis. 

6. Semântica

Os robôs do Google conseguem compreender a intenção de busca do usuário a partir da semântica. Por isso, as palavras-chave, ou keywords, são importantes para o SEO de e-commerces.

Elas precisam ser usadas nas descrições de produtos, URLs e títulos.

7. Links internos

Os links internos são aqueles que vinculam URLs diferentes do mesmo site e encaminham os visitantes a outras páginas. Eles são fundamentais, pois o Google entende sua autoridade no nicho.

Para utilizar os links da melhor forma, crie páginas âncoras, ou pillar pages, com links que tratam de assuntos relacionados.

8. Otimização em imagens

As imagens não podem ser ignoradas nas estratégias de marketing de uma empresa por deixarem as páginas mais bonitas e atraírem o olhar dos visitantes. Da mesma forma, o SEO também não pode ser deixado de lado no uso delas.

Nesse sentido, há dois tipos de otimizações em imagens: estéticas e técnicas.

As estéticas se relacionam com fotos de alta qualidade e úteis para o usuário. Já as técnicas fazem os robôs dos sites de mecanismos de buscas entenderem o conteúdo da imagem, já que o Google, por exemplo, ainda não consegue ler imagens com exata precisão

As técnicas de SEO para otimização de imagens são:

  • Nomeação de arquivos: ao invés de códigos alfanuméricos, utilize palavras-chave;
  • Uso de alt-tag: código HTML com descrição alternativa para a imagem. Ela também é importante para a acessibilidade Web.
  • Formato, tamanho e dimensão de arquivo: o formato deve ser leve, mas de boa qualidade.

9. Featured Snippet

Na página de resultados do Google, é comum surgir uma caixa de resposta curta e objetiva em destaque. Ela é um featured snippet, ou posição 0. 

Existem algumas práticas para que seu texto seja destacado pelo Google. Por exemplo: 

  • trechos entre 40 a 50 palavras que sejam objetivos e respondam dúvidas;
  • ordenação de passo a passo com bullet points ou lista numérica;
  • uso de heading tags;
  • uso de palavras-chave nas respostas a perguntas. 

SEO off-page

De forma resumida, o SEO off-page acontece fora do domínio do site. No entanto, ele traz resultados diretos para o posicionamento das páginas. Veja a seguir as técnicas principais.

1. Presença digital

As menções à sua marca fazem o Google entender a sua importância e autoridade no mercado. Desse modo, esforce-se para receber avaliações positivas de usuários, ter uma base de seguidores engajados nas redes sociais e esteja presente em diversos canais de comunicação

2. Link building

Outra técnica de SEO off-page é o link building, ou seja, links de outros sites que apontam para o seu domínio. Isso pode acontecer de diversas formas, como:

  • links orgânicos: seu conteúdo é reconhecido pelo público e produtores de conteúdo que, naturalmente, fazem menção a ele;
  • conteúdo de especialista: ao usar informações de especialista em seu site, como entrevistas, você terá conteúdo de qualidade, além de uma parceria com alguém que também irá compartilhar o link com outro público;
  • dados de pesquisas: estudos com dados coletados são muito referenciados na Web. Por isso, realize pesquisas para ser citado enquanto especialista no nicho;
  • guest posts: ao produzir artigos para outros blogs, você leva informações relevantes para novos públicos e sua marca é vista em outros espaços.
  • assessoria de imprensa: os assessores de imprensa trabalham para colocar notícias e releases sobre a sua marca em vários portais.

SEO técnico

Ao contrário do SEO on-page e off-page, que estão muito relacionados ao conteúdo e à semântica, o SEO técnico se refere a técnicas que envolvem usabilidade, programação e desempenho de sites.

Assim, as técnicas mais utilizadas apresentam os fatores que elencamos abaixo. 

1. Experiência do usuário

A experiência do usuário, muito conhecida por UX, é a interação do usuário com o site. Para ser positiva, é preciso trabalhar diversos aspectos que evitem as altas taxas de rejeição no site. 

Para saber sobre a experiência do usuário em seu site, consulte o Google Analytics

2. Performance e tempo de carregamento

Em 2010, o Google informou que o tempo de carregamento é um dos fatores de ranqueamento. A empresa preza pela velocidade de carregamento dos sites porque sabe que o usuário tende a não esperar páginas que demoram muito a carregar.

Após a atualização de Core Web Vitals, essa métrica passou a ter ainda mais relevância.

3. Site seguro

Você já deve ter percebido que o Google Chrome tem alertas de “site não seguro” para os usuários. De maneira semelhante, a segurança de sites é um fator de ranqueamento para o mecanismo de buscas.

Dessa maneira, os sites precisam ter HTTPS, que permite dados autênticos e criptografados. 

4. Sitemap

O sitemap, ou mapa do site, facilita o trabalho dos robôs no entendimento da estrutura de um site. Há algumas ferramentas que geram o arquivo de sitemap, como XML-Sitemaps e Yoast.  

5. Dados estruturados

Os dados estruturados padronizam o conteúdo de uma página para poder classificá-la. Por exemplo, você pode marcar uma página de receitas com os dados estruturados para que o Google entenda do que se trata

6. Página de erro 404

É verdade que erros acontecem no carregamento de sites. Contudo, esses erros podem ter efeitos negativos reduzidos com estratégias simples.

Por exemplo, ao surgir uma página de erro 404 em um produto que o usuário desejava ver, o site pode indicar produtos similares. Ou seja, a ideia é redirecionar o visitante a páginas relevantes para ele. 

7. Redirecionamentos

Como nas páginas de erros, os redirecionamentos são muito importantes para casos de migração ou exclusão de páginas. Existem 2 tipos de redirecionamentos:

  1. Redirecionamento 302: mostra aos mecanismos de busca que você está aplicando alguma melhoria ou mudança. É temporário.
  2. Redirecionamento 301: mostra aos mecanismos de busca que eles podem considerar apenas a nova página. É definitivo.

8. URL canônica

No caso de páginas com conteúdo duplicado, como categorias de produto que possuem paginação, é possível inserir um código dentro da seção <head> para indicar aos buscadores qual é a página principal. O código é:

<link rel=“canonical” href=” endereço-do-site /institucional”/>

Afinal, o SEO é só para Google?

É claro que não! Mais uma vez, o SEO serve para qualquer site de mecanismo de busca. Confira abaixo outros espaços que você pode trabalhar as técnicas e que vão além do Google. 

SEO para YouTube

Muita gente não sabe, mas o segundo maior site de buscas do mundo é o YouTube. É isso mesmo! A plataforma é constantemente vista apenas como uma plataforma de vídeo, o que é verdade. No entanto, ela também é um buscador.

Mão segurando um celular com a tela ligada na página inicial do Youtube. Fundo da foto vermelho.
 O YouTube também é um site de buscas.

Por isso, vale uma atenção especial para a plataforma e um projeto de gerenciamento de canal nela. Entre os fatores de ranqueamento do YouTube, estão:

  • tempo de vídeo;
  • quantidade de comentários e curtidas;
  • número de visualizações e compartilhamentos;
  • título, descrição, categorização e uso de tags.

SEO local

Quando você deseja alcançar visitantes da sua região, o melhor é trabalhar o SEO local, que mostra a sua localização nas buscas feitas. 

Para isso, invista em palavras-chave relacionadas à região e no Perfil da Empresa do Google

ASO

O ASO é a sigla para App Store Optimization e, diferentemente do SEO que serve para sites, esse é um tipo de otimização para os aplicativos

Contudo, você pode se apoiar no SEO para as estratégias de ASO. Por exemplo, repita as mesmas palavras-chave e crie URLs otimizadas. 

Otimize seu site com uma equipe de experts 

Para trabalhar com estratégias que levam ao tráfego orgânico através de SEO, é importante contar com uma agência de marketing digital. Por isso, conheça a melhor: Adtail

Nós temos um time especializado em SEO que trabalha com soluções voltadas à alta performance e resultados para o seu negócio. Entre as ações estão a auditoria e consultoria para entender e desenvolver as melhores estratégias que atraem o seu público-alvo.

Visite o site da Adtail e veja como é possível otimizar o seu site com especialistas em SEO e gerar os resultados transformadores.